Pages

25 de fev de 2010

Eu nunca mais...


Hoje eu estou debaixo de um velho carvalho a sombra da minha própria vida, pensando em coisas que não pensava há um tempo, descobri que o amor pode ser uma droga viciante e intensa com o beijo de sua amada, o problema é que a amada está distante dai o mundo fica muito pequeno. Hoje descobri que nunca mais farei algumas coisas na minha vida.
Começo com eu nunca mais vou entregar meu coração de cara, eu nunca mais vou sentir o coração dela bater perto do meu, eu nunca mais vou gostar de uma amiga, eu nunca mais vou olhar dentro dos teus olhos, eu nunca mais vou escrever poemas e te falar, eu nunca mais vou te amar como se minha vida depende-se disso, eu nunca mais...
Eu poderia acrescentar a lista, eu nunca mais vou tocar seus labios, eu nunca mais vou te comprar chocolate, eu nunca mais vou te ouvir por horas e sentir que poderia fazê-lo pela eternidade, eu nunca mais vou escrever em minhas paredes a falta que você me faz, eu nunca mais vou desistir de algo na vida, eu nunca mais vou parar minha vida, eu nunca mais baixarei minha espada, diante de ti, eu nunca mais...
Termino esses simplório depoimento revendo erros, e reafirmando acertos que me fazem ser que eu sou, agora eu nunca mais serei eu mesmo depois que descobri o amor, mas amor de verdade não sinto mais em teus olhos e debaixo desse carvalho eu posso descansar em fim livre e decidido de que eu nunca mais vou ser outro além de mim mesmo.
Adeus amor...

0 comentários:

Postar um comentário